Um longo abraço

O lançamento do nosso conto “A Formiga Juju e o Professor Moskito”, realizado no dia 25 de Abril no Centro Mãe Esperança, em Marracuene (Moçambique), foi um sucesso!

“A Formiga Juju e o Professor Moskito”

Com o apoio do Grupo Soico e o envolvimento do Centro Mãe Esperança, conseguimos mobilizar uma assistência de centenas de crianças, com câmaras, som, protocolo e presença das estruturas locais (Directora Distrital de Educação e Representante da Administração do Distrito). A cobertura mediática incluiu uma peça no Jornal da Noite da STV, que é líder de audiências em Moçambique.

Sobretudo, sentimos que as crianças apanharam a mensagem e sabemos que agora serão elas a espalhar.

M – A – L – Á – R – I – A

A nossa motivação para publicar o conto foi contribuir para a luta contra a malária, a doença que mais mata em Moçambique e que atinge sobretudo crianças. Porque é que, aqui ao lado, em Mpumalanga (África do Sul), já se erradicou e nós ainda temos crianças a morrer a cada segundo por causa desta doença?

Como sabem, o sonho da Formiga Juju é que todas as crianças de Moçambique tenham a oportunidade de ler. Acreditamos no poder transformativo de um livro nas mãos de uma criança. 

“Quando eu for grande, quero ser escritora”

Neste sentido, não posso deixar de partilhar o momento que mais me marcou na cerimónia de Marracuene.

Depois da apresentação do conto, já depois de a multidão ter dispersado, uma formiguinha veio ter comigo e disse:

“Eu queria dar um abraço porque eu gostei muito da história.” 
Aquela espontânea manifestação de afecto comoveu-me.

Abraço de formiga

Demos um longo abraço e depois eu disse:

“Sabes, tu és uma formiguinha muito linda e eu quero combinar uma coisa contigo: a próxima história da Juju, quem vai escrever és tu. Quando estiver pronta, mandas chamar-me e eu venho aqui para conhecer a tua história. Eu prometo.”

“Mas sou eu que vou tirar sozinha essa história?”

“Tirar? Ah sim, escrever…” – achei muito adequado o verbo, porque o processo criativo é mesmo algo que sai de dentro de nós, por isso tem que ser “tirado” cá para fora.

“Claro que sim! – continuei – Vais à biblioteca ler os livros da Juju que nós deixámos lá e depois fazes tu a tua própria história.”

“Mas eu não sou daqui, sou de outra escola.”

Chamei a coordenadora:

“Chica, esta formiguinha não é aqui do Centro mas ela pode vir aqui usar a vossa biblioteca, não é?”

“Claro que sim!”

A biblioteca foi doada por um grupo de cooperantes e tinha sido acabada de estrear.

“Então está combinado: quando a história estiver pronta, eu venho aqui para tu me mostrares.”

E então ela diz:

“Quando eu for grande, eu quero ser escritora.”

Agora percebo quando dizem: ainda que apenas uma vida tenha sido tocada, já valeu a pena.

Quero agradecer, muito em particular, aos nossos parceiros – APEDSMinervaMSF Engenharia e Grupo Soico – por nos terem ajudado a realizar este sonho;
agradecer ao Centro Mãe Esperança pelo trabalho extraordinário que faz, dia após dia, proporcionando educação e protecção a 600 crianças do distrito de Marracuene;
e às crianças que nos acolhem, inspiram e fazem acreditar que vale a pena ser formiga!

facebook.com/formigajuju

Juntos, movemos montanhas.

Khanimambo!

 

Cristiana Pereira

Jornalista / Escritora

Deixe uma resposta

Comments flagged as spam will not appear until reviewed.

P.S. Your email address will not be shared or published.